sábado, 3 de abril de 2010

O ENGENHOSO HUMANO


Por tão
Largo caminho

Passam o homem
E o cachorrinho.

Por estreita
Estrada
Passam o homem
E a boiada.


Onde cabe o homem
É tudo ou nada
O que é estreito
Ele alarga.
O que é largo
Se lhe apraz,
Ele ajeita,
Vai diminuindo
E estreita.


Com treta no mundo
É como ele urde
Ou desaparece,
Ou surge.



jjLeandro

Um comentário:

Francisco Perna Filho (Chico Perna) disse...

Amigo, boa noite!
É isto: abrindo caminhos, para o bem ou para o mal, o homem se faz na compreensão da sua justeza.
Abraço grande,
Chico Perna